Gato Suspeito? Explosões misteriosas em restaurantes de Teresina podem ter Envolvimento Felino

Um gato caminhando pela cozinha de um restaurante em Teresina, no Piauí, pode ter sido a causa de uma explosão que destruiu dois estabelecimentos em dezembro de 2022. Essa é a conclusão da perícia criminal realizada no local. O felino, que caminhava pela cozinha durante a madrugada, pode ter acionado acidentalmente um equipamento ou retirado uma mangueira de acoplamento, causando o vazamento de gás.

Um vigilante sentiu o cheiro do gás e alertou as autoridades, mas a explosão ocorreu depois que um auxiliar de manutenção acionou um exaustor na cozinha, gerando uma faísca. Vamos explicar em detalhes os resultados da perícia e as causas da explosão, que levantou diversas hipóteses sobre a origem do vazamento de gás. Também vamos analisar a responsabilidade dos envolvidos e as medidas de segurança que podem evitar acidentes semelhantes no futuro.

O laudo da perícia criminal

O laudo da perícia criminal aponta para a presença do gato na cozinha do restaurante como uma das possíveis causas do vazamento de gás. O animal pode ter acionado acidentalmente um equipamento ou retirado uma mangueira de acoplamento, permitindo que o gás vazasse pela cozinha. O laudo destaca que o gato tinha porte e tamanho compatível com a possibilidade de causar o acidente. Além disso, o laudo aponta para outras duas hipóteses para o vazamento de gás: problemas com o regulador de pressão da rede de gás do restaurante e falhas em outros equipamentos da cozinha. No entanto, não foi possível realizar testes no regulador de pressão, pois ele não foi entregue aos peritos.

A explosão

O vazamento de gás foi detectado por volta das 3h24, quando um vigilante sentiu um forte cheiro de gás na cozinha do restaurante. O gás teria vazado por pelo menos três horas, até que às 6h25, um auxiliar de manutenção que havia dormido dentro do restaurante também percebeu o cheiro do gás. Ele acionou um exaustor na cozinha para tentar dissipar o gás que estava confinado, mas o interruptor do equipamento causou uma faísca, que gerou a explosão. O auxiliar de manutenção sofreu queimaduras e ficou desacordado após a explosão. Ele foi socorrido por uma ambulância que já estava no estacionamento do restaurante.

A responsabilidade dos envolvidos

O laudo da perícia aponta para uma possível omissão ou negligência do vigilante que sentiu o cheiro de gás logo após o início do vazamento. O documento sugere que ele poderia ter se dirigido ao local da central de gás e fechado o registro para evitar o acidente. No entanto, não é possível afirmar se ele agiu com negligência ou se não tinha conhecimento e treinamento suficientes para tomar as medidas adequadas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top